Responsável do Laboratório

Dra. Maria Helena Proença

Ext. 55171

Topo ^
História do Laboratório de Química Clínica

A execução das determinações analíticas sofreu uma evolução profunda nos últimos 50 anos. As pequenas unidades laboratoriais dos hospitais escolares, ligadas normalmente às clínicas universitárias, com equipamentos rudimentares e metodologias morosas para determinação de alguns constituintes sanguíneos e urinários, foram gradualmente substituídas por laboratórios estruturados, com recursos humanos e tecnológicos, especialmente preparados.

Assim no principio dos anos 60, este desenvolvimento da tecnologia médica, criou maiores oportunidades de trabalho, aliciou profissionais válidos e talentosos, que acompanham o avanço científico no campo da prevenção, do diagnóstico e da monitorização da doença, através de marcadores bioquímicos, começando a definir-se o conceito de entidades clínico-biológicas.

Também o aumento de entidades pagadoras de serviços de saúde, e o número crescente de utentes desses serviços, pressiona o laboratório clínico a responder com rapidez e qualidade a esse movimento e a procurar implementar marcadores biológicos sensíveis e específicos das várias entidades nosológicas.

É com este pensamento que o primeiro Director do Laboratório de Química Clínica, Dr. Fernando Barros desenvolve o laboratório acompanhando o estado da arte, conseguindo a instalação do primeiro AutoAnalyzer (Technicon) em Portugal e iniciando os primeiros procedimentos de controlo de qualidade analítica.

Nesta altura, a capacidade de produção de análises do laboratório clínico é limitada apenas pelo manuseamento de amostras e pela gestão dos dados e da informação.

Este problema vem a ser resolvido nas décadas de 60 e 70 com o desenvolvimento dos computadores, com aplicações muito válidas nas áreas científicas e técnicas.

O desenvolvimento de interfaces de ligação aos equipamentos, de sistemas com acesso aos dados dos doentes, leitores de código de barras contendo informações relevantes, e sobretudo aplicações de fácil abordagem com apoio informático constante, são os tópicos principais dos anos 80 e 90.

É o segundo Director do Laboratório de Química Clínica, Dr. Fernando Brito Barros, que implementa a primeira aplicação informática laboratorial de um grande hospital em Portugal. De facto, as aplicações informáticas dos laboratórios clínicos são indispensáveis numa perspectiva de garantia de qualidade, interligando todas as etapas do circuito analítico, com segurança e rapidez do fluxo de informação.

O fim dos anos 90 e os anos 2000 são marcados sobretudo pela limitações económicas. Os custos de pessoal médico e técnico qualificado e das novas tecnologias cada vez mais sofisticadas, a par da necessidade de constante actualização dos marcadores biológicos disponíveis, tornam a gestão económica e científica muito particular para as novas direcções dos laboratórios clínicos.

Torna-se em nosso entender, obrigatória, a articulação científica, dinâmica, dos profissionais dos Laboratórios e dos Serviços Clínicos, definindo protocolos de estudo biológico conforme as patologias e seu estadiamento, enquadrados no perfil entendido superiormente para esta Instituição.

Deste trabalho interpares, urgente, apoiado naturalmente por competências de gestão económica, será possível toda uma série de conhecimentos científicos e pragmáticos conseguindo levar à tão desejada racionalização dos pedidos de análises.

Topo ^
Localização
Bloco frontal, piso 3, ala norte, acesso pelos elevadores nº 16 e nº 8 (lado da Aula Magna) e pelo elevador nº 6 (nascente)

Topo ^
Contactos
21 780 5172 Geral
21 780 5692 Geral
5172 Geral
5692 Geral
5171 Chefe do Laboratório
1358 Gabinete Gestão
1364 Gabinete Qualidade
1363 Recepção de Produtos
5172 Registo e Arquivo de Dados
1354 Corredor
1359 Bioquímica Geral
1349 / 1357 Líquidos Biológicos
1352 / 1356 Imunoquímica
1351 Endocrinologia
1360 / 1361 A. Atómica e Rastreio Pré-Natal
E-mail: lab.quimica-clinica@hsm.min-saude.pt
Topo ^
Horário de Recepção e Critérios de Rejeição de Produtos

Horário de Recepção

08h00-19h (dias úteis) e 08h00-12h00 (sábados)


Critérios de Rejeição

No Laboratório de Química Clínica aplicam-se os seguintes Critérios de Rejeição de Pedidos:

1. Análise não efectuada neste Laboratório;
2. Não concordância dos pedidos com os produtos enviados;
3. Identificação inadequada da amostra;
4. Não concordância das informações do produto com as da requisição;
5. Preenchimento incorrecto, incompleto ou ilegível da requisição;
6. Uso de tubo de colheita inadequado;
7. Inadequada quantidade de volume colectado para tubo com aditivo;
8. Produto com transporte incorrecto, amostras conspurcadas ou com produtos extravasados;
9. Reconhecimento de más condições de armazenamento.

Topo ^
Recursos Humanos

Categoria
Número
Médicos Patologistas Clínicos
9
Técnicos Superiores (3 com contrato)
4
Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública (6 com contrato)
13
Assistentes Administrativos (1 com contrato)
3
Auxiliares de Acção Médica (2 com contrato)
6

Topo ^
Organização do Laboratório

Do ponto de vista funcional, o Laboratório de Química Clínica encontra-se dividido nos seguintes sectores: Bioquímica Geral, Endocrinologia, Imunoquímica, Líquidos Biológicos, Alergologia, Absorção Atómica e Rastreio pré-natal

Existem ainda grupos de trabalho para a gestão, qualidade, higiene e segurança e ensino e investigação

Topo ^
Listagem das análises efectuadas e tempo de resposta
Nome / Método
T. Res. (dias)
Material de colheita

AAT
Ver Anticorpos anti-Tiroideus

ACTH; Corticotrofina; Adrenocorticoestimulina (CLIA) **
1
Sangue total: Tubo com EDTA ** Obrigatório registar a hora da colheita.
Ác. 5-Hidroxindolacético; 5-HIAA (HPLC)
22
Adulto :Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
Criança : Amostra de urina: em 2 monovette; congelar ao chegar ao Laboratório
Ác. Delta Aminolevulínico; ALA (Cromat.)
8
Urina de 24H: Frasco escuro sem conservante (ver Normas de Colheita)
Ác. Homovanílico; HVA (HPLC)
22
Adulto : Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
Criança : Amostra de urina: em 2 monovette; congelar ao chegar ao Laboratório
Ác. Úrico (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra. Não refrigerar.
Ác. Vanilmandélico; VMA (HPLC)
22
Adulto : Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
Criança : Amostra de urina: em 2 monovette; congelar ao chegar ao Laboratório
Adrenalina; Epinefrina; Catecolaminas na urina (HPLC)
Ver Catecolaminas na urina
Adrenocorticoestimulina **
Ver ACTH
Alanina aminotransferase
Ver ALT
Albumina (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante Ver MAU
Aldolase (Cin.- UV) 37ºC
8
Soro: Tubo seco
Aldosterona (RIA) *
15
Soro: Tubo seco *
Urina de 24H: Frasco sem conservante
Alfa 1 Antitripisina (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Alfa 1 Glicoproteína ácida
Ver Orosomucóide
Alfa 2 Macroglobulina (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Alfa Fetoproteína (ECLIA) e (CLIA)
1 / 8
Soro: Tubo seco. Incluída no Rastreio pré-Natal 2.º Trim. (CLIA)
ALT; TGP; Alanina aminotransferase (Cin.-UV) 37ºC
1
Soro: Tubo seco
Amilase Pancreática (Color. Enzim.) 37ºC
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Anticorpos anti-Gliadina (FEIA)
15
Soro: Tubo seco
Anticorpos anti-Helicobacter-Pylori (CLIA)
8
Soro: Tubo seco
Anticorpos anti-Tiroideus (anti-TPO, anti-TG) ( CLIA )
1
Soro: Tubo seco
Anticorpos anti-Receptor TSH; TRAb
Ver TRAb
Anticorpos anti-Transglutaminase Ig A (FEIA)
15
Soro: Tubo seco
Antigénio carcinoembrionário
Ver CEA
Antiperoxidase; AntiTPO
Ver Ac. anti-Tiroideus
Antitiroglobulina; AntiTG
Ver Ac. anti-Tiroideus
APO A (Nef)
1
Soro: Tubo seco
APO B (Nef)
1
Soro: Tubo seco
APO E (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Aspartato aminotransferase
Ver AST
AST; TGO; Aspartato aminotransferase (Cin.-UV) 37ºC
1
Soro: Tubo seco
BAP; Bone alkaline phosphetase
Ver Fosfatase Alcalina Isoenzima Óssea
Beta CrossLaps (ECLIA)
8
Soro: Tubo seco
17 Beta estradiol
Ver Estradiol
Beta hCG livre (CLIA)
2
Soro: Tubo seco. Incluída no Rastreio pré-Natal 2.º Trim. (CLIA)
Beta hCG Total
Ver hCG
Beta 2 Microglobulina (Turb.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Bilirrubina Directa (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Bilirrubina Total (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
C 1 inibidor; Inactivador de C1; Inibidor da C1 esterase (Nef)
1
Soro: Tubo seco
C 1q (Nef)
1
Soro: Tubo seco
C 3 (Nef)
1
Soro: Tubo seco
C 4 (Nef)
1
Soro: Tubo seco
CA 125 (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
CA 15.3 (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
CA 19.9 (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
CA 72.4 (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
Cadeias Leves κ e λ (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Urina: 24H em frasco sem conservante
Cálcio (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Calcitonina (CLIA) *
1
Soro: Tubo seco *
Cálculo Urinário (Manual)
8
Tubo de vidro, sem quaisquer aditivos
Catecolaminas na urina (adrenalina/epinefrina; noradrenalina/norepinefrina; dopamina)
22
Adulto : Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
Criança : Amostra de urina: em 2 monovette; congelar ao chegar ao Laboratório
CDT; Transferrina deficiente em Carbohidrato (Elect. Cap.)
8
Soro: Tubo seco
CEA; Antigénio carcinoembrionário (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
Ceruloplasmina (Nef)
1
Soro: Tubo seco
CH 50 (LIA) **
1
Soro: Tubo seco **
CK; Creatininaquinase (Cin.-UV) 37ºC
1
Soro: Tubo seco
CK-MB massa (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
Cistatina C (Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Clearance da Creatinina (Cálculo)
1
Soro: Tubo seco + Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Cobre (A.A.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: de 24H em frasco preparado pelo Laboratório
Colesterol HDL; HDL (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Colesterol LDL; LDL (Cálculo)
1
Soro: Tubo seco
Colesterol TOTAL (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Corticotrofina
Ver ACTH
Cortisol (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Urina de 24H: Frasco sem conservante
Creatinina (Color. Cin.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Creatininaquinase
ver CK
Crioglobulinas (Manual)
8
Soro: Material aquecido fornecido pelo Laboratório (ver Normas de Colheita)
Cyfra 21.1 (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
DHEA-SO4
Ver S-DHEA
Delta-4 Androstenediona (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Desidrogenase láctica; LD
Ver LD
11-Desoxicortisol; Composto S (RIA)
1
Soro: Tubo seco
Desoxipiridolina (CLIA)
8
Urina:2 .ª urina da manhã ou 24H
D.I.G.; Diag. Imunol. de Gravidez
Ver hCG
1
ECA (Cin.-UV)
1
Soro: Tubo seco
Enolase neuroespecífica
Ver NSE
Electroforese das Proteínas (Elect. Cap.)
1
Soro: Tubo seco
Estradiol; 17 Beta estradiol (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Estriol livre
2
Soro: Tubo seco - Incluido no Rastreio pré-natal 2º Trim.
Fosfatase Alcalina, ALP (Color.) 37ºC
1
Soro: Tubo seco
Fosfatase Alcalina Isoenzima Ósseo (CLIA)
8
Soro: Tubo seco
Fósforo (Ponto Final-UV)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Frutosamina (Color.)
1
Soro: Tubo seco
FSH; Hormona Foliculoestimulante (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
FT3; T3 Livre; Triiodotironina livre (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
FT4; T4 Livre; Tiroxina livre (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Gama GT; Gama glutamiltransferase (Color. Enzim.)
1
Soro: Tubo seco
Glucose (UV-Enz.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Gorduras Fecais e Esteatócrito (Obs. Microsc.)
1
Frasco de plástico (ver Normas de Colheita)
H. Pylori (Teste respiratório)
8
(ver Normas de Colheita)
Haptoglobina (Nef)
1
Soro: Tubo seco
HbA1c; Hemoglobina glicada; Hemoglobina glicosilada (HPLC)
1
Sangue total: Tubo com EDTA
hCG
1
Soro: Tubo seco
Hemopexina (Nef)
1
Soro: Tubo seco
HER-2/neu (CLIA)
8
Soro: Tubo seco
17-Hidroxi-Progesterona (RIA)
15 a 18
Soro: Tubo seco
Homocisteína (CLIA) *
1
Soro: Tubo seco *
Hormona do Crescimento; GH (CLIA) *
1
Soro: Tubo seco *
Hormona foliculoestimulante
Ver FSH
Hormona Gonadotrofina coriónica humana
Ver hCG
Hormona Luteinizante ou luteotrófica
Ver LH
Hormona paratiróideia
Ver PTH
Hormona tireotrófica
Ver TSH
IGF1; Insulin-like growth factor; Somatomedina C (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Imunocomplexos Circulantes (Nef) *
8
Soro: Tubo seco
Imunofixação (Imunof.)
8
Soro: Tubo seco
Urina de 24H: Frasco sem conservante
Imunoglobulina A; Ig A (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Imunoglobulina A salivar; IgA salivar secretória (Nef)
Saliva (ver Normas de Colheita)
Imunoglobulina D; Ig D (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Imunoglobulina G; Ig G (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Imunoglobulina M; Ig M (Nef)
1
Soro: Tubo seco
Imunoglobulina E Total; Ig E total (FEIA-Unicap)
3
Soro: Tubo seco
Imunoglobulina E específica; Ig E específica (FEIA-Unicap):

phad Mix inalatório PHADIATOP
pax2 - Mix Ácaros - Acarus siro, Lepidoglyphus destructor Gastrophylus testinalis, Sitophylus granarius
d1 - Dernatophagoides Pteronyssinus
d2 - Dernatophagoides Farinae
d71 - Lepidoglyphus destructor (Ácaro de armazém)
d72 - Tyrophagus putrescentiae (Ácaro de armazém)
d73 - Glyciphagus domesticus (Ácaro de armazém)
d201 - Blomia tropicalis (Ácaro de armazém)
e1 - Pêlo e caspa de gato
e2 - Caspa de cão
e3 - Pelo de cão
e5 - Cavalo
e78 - Penas de periquito
gx1 - Mix gramíneas - Dactylis glomerata, Festuca elatior, Lolium perenne, Phleum pratense, Poa pratensis
g2 - Cynodon dactylon (Grama)
g3 - Dactylis glomerata (Panasco)
g4 - Festuca elatior (Sargasso bravo)
g5 - Lollium perene (Azevém)
g6 - Phleum pratense (Rabo de gato)
g8 - Poa pratensis (Erva de febra)
g12 - Centeio (pólen)
g14 - Aveia (pólen)
g15 - Trigo (pólen)
g201 - Cevada (pólen)
g202 - Milho (pólen)
w6 - Artemisia vulgaris
w19 - Parietaria officinalis
w20 - Urtica dioica (Urtigão)
w21 - Parietaria judaica
tx7 – Mix árvores - Oliveira, Salgueiro, Pinheiro manso, Eucalipto, Acácia, Malaleuca
t5 - Fagus grandifolia (Faia Europeia)
t9 - Olea europaea (Oliveira)
t11 - Platanus acerifolia (Plátano)
t16 – Pinus strobus (Pinheiro)
t18 – Eucalipto
t19 – Acacia longifolia (Acácia)
t23 – Cupressus sempervirens (Cipreste)
m1 - Penicillium notatum
m2 - Cledosporium herbarum
m3 - Aspergillus fumigatus
m4 - Mucor racemosus
m5 - Candida albicans
m6 - Alternaria alternata
c1 - Penicilloyl G
c2 - Penicilloyl V
p1 - Ascaris
p4 - Anisakis
fx1 - Mix alimentar - Amendoim, Avelã, Noz do Brasil, Amêndoa, Coco
fx2 - Mix alimentar - Peixe, Camarão, Mexilhão Azul, Atum, Salmão
fx5 - Mix alimentar - Clara ovo, Leite, Peixe, Trigo, Amendoim, Soja
f1 - Clara de Ovo
f2 - Leite
f3 - Peixe
f4 - Trigo
f14 - Soja
f23 - Caranguejo
f24 - Camarão
f26 - Carne de Porco
f75 - Gema de Ovo
f76 - a Lactoalbumina
f77 - ß Lactoglobulina
f78 - Caseína
f79 - Glúten
f80 - Lagosta
f93 - Cacau
f95 - Pêssego
f232 - Ovalbumina
f233 - Ovomucoide
f351 - Tropomiosina
h2 - Pó da casa
k82 – Látex
3
Soro: Tubo seco
Inactivador de C1
Ver C1 Inibidor
Inibidor da C1 esterase
Ver C1 Inibidor
Insulina; IRI; Insulina imunoreactiva (CLIA) *
1
Soro: Tubo seco *
Ionograma (ISE)
1
Soro: Tubo seco
Urina de 24H: Frasco sem conservante
LD; Desidrogenase Láctica (Cin.-UV)
1
Soro: Tubo seco
LH; Hormona Luteotrófica (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
LIPASE (Col. Enz.)
1
Soro: Tubo seco
Líq. Ascítico (ex. Citoquímico)
Exame Químico: Tubo seco
1
Exame Citológico: Tubo com EDTA
Líq. Céfalo-Raquidiano (ex. Citoquímico)
1
Tubo de vidro seco
Líq. Pericárdico (ex. Citoquímico)
1
Exame Químico: Tubo seco
Exame Citológico: Tubo com EDTA
Líq. Pleural (ex. Citoquímico)
1
Exame Químico: Tubo seco
Exame Citológico: Tubo com EDTA
Líq. Sinovial (ex. Citoquímico)
1
Exame Químico: Tubo seco
Exame Citológico: Tubo com Heparina
Lítio (A.A.)
1
Soro: Tubo seco
Lp(a); Lipoproteína a (Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Magnésio (Color.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Metanefrinas (HPLC)
22
Adulto :Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
Criança : Amostra de urina: em 2 monovette; congelar ao chegar ao Laboratório
Microalbuminúria; MAU (Turb.)
1
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Mioglobulina (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
N-MID Osteocalcina; Osteocalcina (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
Noradrenalina; Norepinefrina
Ver Catecolaminas na urina
Normetanefrinas (HPLC)
22
Adulto :Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
Criança : Amostra de urina: em 2 monovette; congelar ao chegar ao Laboratório
NSE; Enolase neuroespecífica (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
NT proBNP; BNP (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
Orosomucóide; Alfa 1 Glicoproteina Ácida) (Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Osmolalidade (ISE e UV-Cin.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
P1NP; Propeptido Aminoterminal do Procolagénio tipo 1 (ECLIA)
8
Soro: Tubo seco
PAPP-A, Pregnancy Associated Plasma Protein (CLIA)
3
Soro: Tubo seco Incluído no rastreio pré-natal 1.º Trim.
Parathormona
ver PTH
Phadiatop (FEIA-Unicap)
3
Soro: Tubo seco
Peptido C (CLIA) *
8
Soro: Tubo seco *
Urina: 24H em frasco sem conservante
Pesquisa de sangue oculto nas fezes
Ver Sangue oculto nas fezes
Porfobilinogénio; PBG (Cromat.)
8
Urina de 24H: Frasco escuro sem conservante (ver Normas de Colheita)
Pré-Albumina ( Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Progesterona (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Prolactina; PRL (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Proteína de Bence Jones
8
Urina de 24H: Frasco sem conservante
Proteínas Totais (Color.)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Prova de suor (Cloretos) (Electroq.)
1
(ver Normas de Colheita)
Prova de tolerância à Glucose Oral; PTGO
1
Soro: Tubos secos (ver Normas de Colheita)
Prova de tolerância à Lactose
1
Soro: Tubos secos (ver Normas de Colheita)
PSA Livre ( ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
PSA Total ( ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
PTH (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Rastreio pré-natal - 1º Trimestre (PAPP-A; Beta hCG livre)
8
Soro: Tubo seco
Rastreio pré-natal - 2º Trimestre (Estriol livre; hCG total; AFP)
8
Soro: Tubo seco
RBP; Retinol Binding Protein (Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Renina (RIA) ***
15 a 18
Sangue total: Tubo com EDTA ***
Sangue oculto nas fezes (Turb.)
8
Frasco de plástico (ver Normas de Colheita)
SCC (MEIA)
2
Soro: Tubo seco
S-DHEA (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Serotonina (Cromat.)
8
Urina de 24H: Frasco escuro com conservante, com preparação do doente (ver Normas de Colheita)
SHBG; Sexual Hormone Binding Globulin (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Somatomedina C
Ver IGF1
Subclasses IgG; IgG1, IgG2, IgG3, IgG4 (Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Sulfato Dehidroepiandrosterona
Ver S-DHEA
T3; Triiodotironina (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
T4; Tiroxina (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
T3 Livre
Ver FT3
T4 Livre
Ver FT4
Testosterona Livre (RIA)
15 a 18
Soro: Tubo seco
Testosterona Total (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Tireotrofina
Ver TSH
Tiroglobulina (CLIA)
8
Soro: Tubo seco
Tiroxina
Ver FT4
TRab (RIA)
15 a 18
Soro: Tubo seco
Transferrina (Nef.)
1
Soro: Tubo seco
Transferrina deficiente em Carbohidrato
Ver CDT
Triglicéridos (Col. Enz.)
1
Soro: Tubo seco
Triiodotironina
Ver T3
Troponina T (ECLIA)
1
Soro: Tubo seco
TSH; Hormona Tireotrófica; Tireotrofina (CLIA)
1
Soro: Tubo seco
Ureia (Cin.-UV)
1
Soro: Tubo seco
Urina: Amostra ou de 24H em frasco sem conservante
Urina Tipo II (Espect. Reflet. / Citom. Fluxo)
1
Urina:1 .ª urina da manhã
D-Xilose (Espectrof.)
8
Soro: Tubo seco (ver Normas de Colheita)
Zinco (A.A.)
1
Soro: Tubo seco

 

  (azul claro) - Análises que exigem colheita no Laboratório

ECLIA - Electroquimioluminescência
Nef - Nefelometria
HPLC - Cromatografia Líquida de Alta Pressão
FEIA - Imunoensaio fluorenzimático
CLIA - Quimioluminescência
Color Enzim - Colorimetria enzimática
Cin.-UV - Cinética em UV
Turb. - Turbidimetria
AA - Absorção Atómica
RIA - Radio Imunoensaio

Topo ^
Valores de Referência das análises efectuadas
Lista de valores de referência (ordem alfabética)

Nome

Tipo de Amostra

Valores Referência

Método

       

α FETOPROTEÍNA

S, LA, LCR

Soro: < 7,0 ng/mL

ECLIA

α 1 ANTITRIPSINA

S

0,90 - 2,0 g/L

Nefelometria

α 2 MACROGLOBULINA

S

1,3 - 3,0 g/L

Nefelometria

ÁC. 5-HIDROXINDOLACÉTICO

U-24h

0,7 - 8,2 mg/24h

HPLC

Ac. anti-Gliadina

S

Ig A, Ig G: < 7 U/mL = Negativo
Ig A, Ig G: 7-10 = clinica/ duvidoso
Ig A, Ig G: > 10 = positivo

FEIA

Ac. anti-Helicobacter-Pylori

S

< 0,9 U/mL = Negativo 0,9 - 1,1 = Indeterminado
> 1,1 = Positivo

CLIA

Ac. anti-Tiroideus anti-TPO

S

< 35 U/mL

CLIA

anti-TG  

< 40 U/mL

 
Ac. anti-Transglutaminase Ig A

S

< 7 U/mL = Negativo
7 - 10 U/mL = clinica/ duvidoso
> 10 U/mL = Positivo

FEIA

Ác. Delta Aminolevulínico; ALA

U-24h

1 - 7 mg/24h

Cromatografia em Coluna

ÁC. HOMOVANÍLICO

U-24h

Adulto :

HPLC

0,0 - 6,2 mg/24h

Criança :

Amostra :

0 - 1 ano: < 32,6 mg/g Creatininúria

2 - 4 anos: < 22,0 mg/g Creatininúria

5 - 9 anos: < 15,8 mg/g Creatininúria

10 - 16 anos: < 12,8 mg/g Creatininúria

24 Horas :

0 - 1 ano: < 2,8 mg/24h

2 - 4 anos: < 4,7 mg/24h

5 - 9 anos: < 9,4 mg/24h

10 - 16 anos: < 7,2 mg/24h

ÁC. ÚRICO

S, U, LS

Soro :

Colorimétrico Enzimático

H: 200 - 420 µmol/L

M: 140 - 340 µmol/L

Urina :

1,2 - 5,9 mmol/24h

2,2 - 5,5 mmol/L

Líquido Sinovial :

H: < 476 µmol/L

M: < 357 µmol/L

ÁC. VANILMANDÉLICO

U-24h

Adulto : 1,8 - 6,7 mg/24h

HPLC

Criança (Amostra):

0 - 1 ano: < 18,8 mg/g Creatininúria

2 - 4 anos: < 11,0 mg/g Creatininúria

5 - 9 anos: < 9,3 mg/g Creatininúria

10 - 16 anos: < 8,2 mg/g Creatininúria

24 Horas :

0 - 1 ano: < 2,3 mg/24h

2 - 4 anos: < 3,0 mg/24h

5 - 9 anos: < 3,5 mg/24h

10 - 16 anos: < 6,0 mg/24h

ACTH

ST

Indetectável - 46 pg/mL

CLIA

ADRENALINA (Epinefrina)

U-24h

Adulto: 1,7 - 22,4 µg /24h

HPLC

Criança:

0 - 1 anos: < 75 µg/g Creatininúria

2 - 4 anos: < 57 µg/g Creatininúria

5 - 9 anos: < 35 µg/g Creatininúria

10 - 16 anos: < 34 µg/g Creatininúria

ALBUMINA

S, U

Soro: 34 - 48 g/L

Colorimétrico

ALDOLASE

S

Soro: < 7,6 U/L

Colorimétrico Enzimático

ALDOSTERONA

S, U

Soro:

RIA

40 - 310 pg/mL (ortostatismo)

10 - 160 pg/mL (decúbito)

Urina:

6,0 - 25 µg/24h (Dieta Normal)

17 - 44 µg/24h (Dieta Hipossal)

0 - 6,0 µg/24h (Dieta Hiperssal)

ALT/TGP

S

H: < 41 U/L

Cinética-UV

M: < 31 U/L

AMILASE PANCREÁTICA

S, U

Soro: 13 - 53 U/L

Colorimétrico Enzimático

Urina: < 350 U/L

AMILASE TOTAL

S

28 - 100 U/L

Colorimétrico Enzimático

APO A

S

H: 1,10 - 2,05 g/L

Nefelometria

M: 1,25 - 2,15 g/L

APO B

S

H: 0,55 - 1,40 g/L

Nefelometria

M: 0,55 - 1,25 g/L

APO E

S

0,023 - 0,063 g/L

Nefelometria

AST/TGO

S

H: < 37 U/L

Cinética-UV

M: < 31 U/L

β Crosslaps S

H (51-70 anos): < 0,3 ng/mL
M (pré-menopausa): < 0,3 ng/mL
M (pos-menopausa): < 0,6 ng/mL

 

β 2 MICROGLOBULINA

S, U, LCR, LDial.

Soro: 0,8 - 2,2 mg/L

Turbidimetria

BILIRRUBINA DIRECTA

S

0 - 5,1 µmol/L

Colorimétrico

BILIRRUBINA TOTAL

S

2 - 18 µmol/L

Colorimétrico

C 1 inibidor

P, S

Soro: 0,21 - 0,39 g/L

Nefelometria

C 1q

S

0,10 - 0,25 g/L

Nefelometria

C 3

S

0,90 - 1,8 g/L

Nefelometria

C 4

S

0,10 - 0,40 g/L

Nefelometria

CA 125

S, LDial.

Soro: < 35 U/mL

ECLIA

CA 15.3

S

< 25 U/mL

ECLIA

CA 19.9

S

< 27 U/mL

ECLIA

CA 72.4

S

< 6,9 U/mL

ECLIA

CADEIAS LEVES K e λ

S

K : 1,7 - 3,7 g/L

Nefelometria

λ : 0,9 - 2,1 g/L

K / λ : 1,35 - 2,65

CADEIAS LEVES LIVRES S Cadeias K : 3,3 - 19,4 mg/L Nefelometria
Cadeias L : 5,7 - 26,3 mg/L
K / λ : 0,26 - 1,65

CÁLCIO

S, U

Soro:

Colorimétrico

Adulto: 2,15 - 2,55 mmol/L

Criança:

0 - 10 dias : 1,90 - 2,60 mmol/L

10 dias - 2 anos: 2,25 - 2,74 mmol/L

2 - 12 anos : 2,20 - 2,70 mmol/L

Urina:

2,5 - 8,0 mmol/24h

1,7 - 5,3 mmol/L

CALCITONINA

S

H: < 8,4 pg/mL

CLIA

M: < 5,0 pg/mL

CÁLCULO URINÁRIO

   

Manual

CDT (Transferrina deficiente em Carbohidrato)

S

0 - 1,3 % CDT

Electroforese Capilar

CEA

S

< 3,4 µg/L

ECLIA

 

Fumadores: < 4,3 µg/L

CERULOPLASMINA

S

0,20 - 0,60 g/L

Nefelometria

CH 50

S

Adulto: 23 - 46 U/L

LIA

Criança:

1-2 dias: 14 - 42 U/L

3 dias - 2 meses: 20 - 56 U/L

3 meses - 2 anos: 22 - 70 U/L

3 - 7 anos: 47 - 83 U/L

8 -14 anos: 42 - 78 U/L

CISTATINA C S

H: 0,57 - 0,96 mg/L

 

M: 0,50 - 0,96 mg/L

CK

S

H: 38 - 174 U/L

Cinética-UV

M: 26 - 140 U/L

CK-MB massa

S

H: 0 - 5 µg/L

ECLIA

M: 0 - 3 µg/L

CLEARANCE CREATININA

S, U-24h

H: 90 - 139 mL/min

Cálculo

M: 80 - 125 mL/min

COBRE

S, U-24h

Soro: 9,4 - 22 µmol/L

Abs. Atómica

Urina: < 0,78 µmol/24h

COLESTEROL HDL

S

< 1,0 mmol/L = Risco Elevado

Colorimétrico Enzimático

COLESTEROL LDL

S

< 2,8 mmol/L = Baixo Risco

Cálculo

> 4,1 mmol/L = Risco Elevado

COLESTEROL TOTAL

S, LB

Soro: < 4,90 mmol/L = Baixo Risco

Colorimétrico Enzimático

COLESTEROL TOTAL / COLESTEROL HDL S > 5 = Risco Elevado Cálculo

11-DESOXICORTISOL   (COMPOSTO S)

 

S

Basal: < 8 ng/mL

RIA

Pós-estimulação (Metirepona): 80 - 250

CORTISOL

S, U

Soro:

CLIA

4,3 - 23,0 µg/dL (8 a.m.)

3,1 - 16,7 µg/dL (3 p.m.)

Urina: 55,5 - 286 µg/24h

CREATININA

S, U, LA

Soro:

Colorimétrica Cinética

H: 62 - 106 µmol/L

M: 44 - 80 µmol/L

Criança: Aplique a fórmula de Schwartz (1)

Urina (Adulto):

H: 9000 - 21000 µmol/24h

M: 7000 - 14000 µmol/24h

Amostra: 2470 - 22900 µmol/L

CRIOGLOBULINAS

 

Negativo

Manual

CYFRA 21.1

S

< 3,3 µg/L

ECLIA

D.I.G. (Diag. Imunol. de Gravidez)

U (1ª da manhã)

Pos/Neg

CLIA

δ - 4 ANDROSTENEDIONA

S

H: 0,6 - 3,1 ng/mL

CLIA

M: 0,3 - 3,3 ng/mL

DESOXIPIRIDOLINA / CREATININURIA

2ª urina da manhã

H: 2,3 - 5,4 nmol Dpd /mmol Creatininúria

CLIA

M: 3,0 - 7,4 nmol Dpd /mmol Creatininúria

DOPAMINA

U-24h

Adulto: 0 - 498 µg/24h

HPLC

Criança:

0 - 1 anos: < 3000 µg/g Creatininúria

2 - 4 anos: < 1533 µg/g Creatininúria

5 - 9 anos: < 1048 µg/g Creatininúria

10 - 16 anos: < 545 µg/g Creatininúria

ECA

S, LCR

Soro: 8 - 52 U/L

Cinética-UV

ELECTROFORESE DAS PROTEÍNAS

S

Alb: 36,8 - 57,5 g/L      55,8 - 66,1%

Electroforese Capilar

α 1: 1,9 - 4,3 g/L      2,9 - 4,9%

α 2: 4,7 - 10,3 g/L      7,1 - 11,8%

ß 1: 3,1 - 6,3 g/L      4,7 - 7,2%

ß 2: 2,1 - 5,7 g/L      3,2 - 6,5%

γ : 7,3 - 16,4 g/L      11,1 - 18,8%

Alb/Glob : 1,15 - 2,18

ESTRADIOL

S

M:

CLIA

F. Folic.: 11 - 165 pg/mL

Ovul.: 146 - 526 pg/mL

F. Lut.: 33 - 196 pg/mL

Pós-menop.: 0 - 37 pg/mL

H: 0 - 52 pg/mL

FAI (Free Androgen Index) S H: 14,8 - 94,8  
M:
F. Folic.: 0,8 - 9,3
F. Lut.: 0,8 - 11
Contrac.: < 3,4
Pós-menop.: < 6,6

FOSFATASE ALCALINA

S

H: 40 - 129 U/L

Colorimétrico

M: 35 - 104 U/L

Criança:

1 dia: < 250 U/L

2 dias - 5 dias: < 231 U/L

6 dia - 6 meses: < 449 U/L

7 meses - 1 ano: < 462 U/L

1 ano - 3 anos: < 281 U/L

4 anos - 6 anos: < 269 U/L

7 anos - 12 anos: < 300 U/L

H: 13 anos - 17 anos: < 390 U/L

M: 13 anos - 17 anos: < 187 U/L

FOSFATASE ALCALINA    (Isoenzima Ósseo)

 

S

H: 2,9 - 20,9 µg/l
M (pré-menopausa): 2,9-14,5 µg/l
M (pós-menopausa): 3,8-22,6 µg/l

CLIA

M: 25 - 44 anos: 11,6 - 29,6 U/L

> 45 anos : 14,2 - 42,7 U/L

FÓSFORO

S, U

Soro:

Ponto Final-UV

Adulto: 0,87 - 1,45 mmol/L

Criança:

Prem.: 1,3 - 2,8 mmol/L

< 30 dias : 0,87 - 2,58 mmol/L

1-3 meses: 0,97 - 2,42 mmol/L

4-12 meses: 0,81 - 2,26 mmol/L

13-24 meses: 0,81 - 2,10 mmol/L

2 ?13 anos: 0,81 - 1,94 mmol/L

14-16 anos: 0,97 - 1,81 mmol/L

Urina:

13 - 42 mmol/24h

13 - 44 mmol/L

FRUTOSAMINA

S

205 - 285 µmol/L

Colorimétrico

FSH

S

M:

CLIA

F. Folic.: 2,5 - 10,2 U/L

Ovul.: 3,4 - 33,4 U/L

F. Lut.: 1,5 - 9,1U/L

Gravidez: 0,0 - 0,3 U/L

Pós-menop.: 23,0 - 116,3 U/L

H: 1,4 - 18,1 U/L

Criança: 1,2 - 7,8 U/L

FT3

S

2,3 - 4,2 pg/mL

CLIA

FT4

S

0,89 - 1,80 ng/dL

CLIA

γ GT

S

H: 8 - 61 U/L

Colorimétrico Enzimático

M: 5 - 36 U/L

GLUCOSE

S, U, LB

Soro:

UV-Enzimático

Jejum: 3,9 - 6,1 mmol/L

> 60 anos: 4,4 - 6,4 mmol/L

> 70 anos: 4,6 - 6,1 mmol/L

Criança: 3,3 - 6,1 mmol/L

RN: 1º dia: 2,2 - 3,3 mmol/L

> 1 dia: 2,8 - 4,4 mmol/L

Urina:

< 2,8 mmol/24h

0,06 - 0,83 mmol/L

GORDURAS FECAIS E ESTEATOCRITO

 

F

Gorduras Fecais: (Qualitativo) Normal até (+)

Observação Microscópica

 

F

Esteatocrito: (Semiquantitativo) Normal < 5%

HAPTOGLOBINA

S

0,30 - 2,00 g/L

Nefelometria

hCG

S, LCR

Soro:

CLIA

H: 0,0 - 2,5 U/L

M: 0,0 - 5,3 U/L

Gravidez:

1,3 - 2 sem.: 16 - 156 U/L

2 - 3 sem.: 101 - 4 870 U/L

3 - 4 sem.: 1 110 - 31 500 U/L

4 - 5 sem.: 2 560 - 82 300 U/L

5 - 6 sem.: 23 100 - 151 000 U/L

6 - 8 sem.: 27 300 - 233 000 U/L

7 - 11 sem.: 20 900 - 291 000 U/L

11 - 16 sem.: 6 140 - 103 000 U/L
16 - 21 sem.: 4 720 - 80 100 U/L
21 - 39 sem.: 2 700 - 78 100 U/L

HbA1c

ST

Equilibrio Metabólico: 4,8 - 5,9%

HPLC

HEMOPEXINA

S

0,50 - 1,15 g/L

Nefelometria

HER-2 / neu

S

0 - 15 ng/mL

CLIA

17-HIDROXI-PROGESTERONA

S

M:

RIA

F. Folic.: 0,19 - 1,82 ng/mL

F. Lut.: 0,22 - 4,69 ng/mL

Pós-menop: 0,2 - 1,72 ng/mL

H: 0,60 - 3,42 ng/mL

Criança:

RN: < 6,3 ng/mL

Pré-puber. H: < 1,1 ng/mL

Pré-puber. M: < 1,0 ng/mL

HOMOCISTEÍNA

S

5 - 12 µmol/L

CLIA

HORMONA CRESCIMENTO (GH)

S

H: < 1 ng/mL

CLIA

M: < 10 ng/mL

IGF1 (Insulin-like Growth Factor I)

S

Adulto:

CLIA

21 - 25 anos: 116 - 358 ng/mL

26 - 30 anos: 117 - 329 ng/mL

31 - 35 anos: 115 -307 ng/mL

36 - 40 anos: 109 - 284 ng/mL

41 - 45 anos: 101 - 267 ng/mL

46 - 50 anos: 94 - 252 ng/mL

51 - 55 anos: 87 - 238 ng/mL

56 - 60 anos: 81 - 225 ng/mL

61 - 65 anos: 75 - 212 ng/mL

66 - 70 anos: 69 - 200 ng/mL

71 - 75 anos: 64 -188 ng/mL

76 - 80 anos: 59 - 177 ng/mL

81 - 85 anos: 55 - 166 ng/mL

Criança:

RN: 11 - 41 ng/mL

1 ano: 55 - 327 ng/mL

2 anos: 51 - 303 ng/mL

3 anos: 49 - 289 ng/mL

4 anos: 49 - 283 ng/mL

5 anos: 50 - 286 ng/mL

6 anos: 52 - 297 ng/mL

7 anos: 57 - 316 ng/mL

8 anos: 64 - 345 ng/mL

9 anos: 74 - 388 ng/mL

10 anos: 88 - 452 ng/mL

11 anos: 111 - 551 ng/mL

12 anos: 143 - 693 ng/mL

13 anos: 183 - 850 ng/mL

14 anos: 220 - 972 ng/mL

15 anos: 237 - 996 ng/mL

16 anos: 226 - 903 ng/mL

17 anos: 193 - 731 ng/mL

18 anos: 163 - 584 ng/mL

19 anos: 141 - 483 ng/mL

20 anos: 127 - 424 ng/mL

IMUNOGLOBULINA A (Ig A)

S

Adulto: 0,7 - 4,0 g/L

Nefelometria

Criança:

RN: < 0,06 g/L

1 - 3 meses: 0,06 - 0,58 g/L

4 - 6 meses: 0,10 - 0,96 g/L

7 - 12 meses: 0,36 - 1,65 g/L

2 anos: 0,36 - 1,65 g/L

3 anos: 0,45 - 1,35 g/L

4 anos: 0,52 - 2,10 g/L

5 anos: 0,52 - 2,20 g/L

6 anos: 0,83 - 2,17 g/L

7 anos: 0,65 - 2,40 g/L

8 anos: 0,74 - 2,60 g/L

9 anos: 1,08 - 2,00 g/L

10 anos: 0,70 - 2,22 g/L

11 anos: 0,91 - 2,55 g/L

12 - 13 anos: 1,08 - 3,25 g/L

IMUNOGLOBULINA D ( Ig D)

S

< 100 U/mL

Nefelometria

IMUNOGLOBULINA E (Ig E Total )

S

Adulto: < 100 U/mL

FEIA

Criança:

RN : < 1, 5 U/mL

0 - 1 anos: < 15 U/mL

2 - 5 anos : < 60 U/mL

6 - 9 anos : < 90 U/mL

10 - 15 anos: < 200 U/mL

Adulto: 7,0 - 16,0 g/L

Criança:

RN: 7,5 - 15,0 g/L

1 - 3 meses: 2,7 - 7,8 g/L

4 - 6 meses: 1,9 - 8,6 g/L

7 - 12 meses: 3,5 - 11,8 g/L

2 anos: 5,2 - 10,8 g/L

3 anos: 5,0 - 13,6 g/L

4 anos: 5,4 - 14,4 g/L

5 anos: 6,4 - 14,2 g/L

6 anos: 6,5 - 14,1 g/L

7 anos: 5,7 - 13,2 g/L

8 anos: 7,3 - 14,1 g/L

9 anos: 7,6 - 13,3 g/L

10 anos: 7,3 - 13,5 g/L

11 anos: 8,5 - 13,0 g/L

12 - 13 anos: 7,7 - 15,1 g/L

IMUNOGLOBULINA M (Ig M)

S

Adulto: 0,40 - 2,30 g/L

Nefelometria

Criança:

RN: 0,11 - 0,35 g/L

1 - 3 meses: 0,12 - 0,87 g/L

4 - 6 meses: 0,25 - 1,20 g/L

7 - 12 meses: 0,36 - 1,04 g/L

2 anos: 0,72 - 1,60 g/L

3 anos: 0,46 - 1,90 g/L

4 anos: 0,52 - 2,00 g/L

5 anos: 0,40 - 1,80 g/L

6 anos: 0,55 - 2,10 g/L

7 anos: 0,60 - 1,75 g/L

8 anos: 0,68 - 1,75 g/L

9 anos: 0,55 - 1,60 g/L

10 anos: 0,80 - 1,50 g/L

11 anos: 0,66 - 1,55 g/L

12 - 13 anos: 0,70 - 1,50 g/L

Ig E específica - d1 - D. pteronyssinus

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - d2 - D. farinae

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica ? d72 - Tyrophagus putrescentiae

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - pax2 - Acarus siro, Lepidoglyphus destructor Gastrophylus testinalis, Sitophylus granarius

S

Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - e1 - Pêlo de gato

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - e2 - Pêlo de cão

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - e78 - Penas de periquito

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - g2 - Cynodon dactylon

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - g3 - Dactylis glomerata

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - g5 - Lollium perene

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - g6 - Phleum pratense

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - g8 - Poa pratensis

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - g12 - Centeio (pólen)

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - gx1 - Dactylis glomerata, Festuca elatior, Lolium perenne, Phleum pratense, Poa pratensis

S

Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - w19 - Parietaria officinalis

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - w21 - Parietaria judaica

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - t9 - Olea europaea

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - t11 - Platanus acerifolia

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - t16 - Pinus strobus

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - tx7 - Olea europaea, Salix caprea, Pinus strobus, Eucalyptus spp., Acacia longifolia, Malaleuca leucadendron

S

Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - k82 - Látex

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - m1 - Penicillium notatum

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - m2 - Cledosporium herbarum

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - m3 - Aspergillus fumigatus

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - m4 - Mucor racemosus

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - m5 - Candida albicans

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - m6 - Alternaria alternata

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - c1 - Penicilloyl G

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - c2 - Penicilloyl V

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - p1 - Ascaris

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - fx1 - Amendoim, Avelâ, Noz do Brasil, Amêndoa, Coco

S

Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - fx2 - Peixe, Camarão, Mexilhão Azul, Atum, Salmão

S

Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - fx5 - Clara ovo, Leite, Peixe, Trigo, Amendoim, Soja

S

Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f1 - Clara de Ovo

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f2 - Leite

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f76 - Lactoalbumina

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f77 - Lactoglobulina

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f78 - Caseína

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f3 - Peixe

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f4 - Trigo

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f14 - Soja

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f26 - Carne de Porco

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f75 - Gema de Ovo

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f232 - Ovalbumina

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f233 - Ovomucoide

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f79 - Glúten

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f93 - Cacau

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

Ig E específica - f95 - Pêssego

S

< 0,35 KU/L = Negativo

FEIA (unicap)

IMUNOCOMPLEXOS CIRCULANTES

S

< 5,0 µg/mL

Nefelometria

IMUNOFIXAÇÃO sérica

S

Ausência banda Monoclonal

Imunofixação

IMUNOFIXAÇÃO urinária

U, U-24h

Não se detectou Bence Jones

Imunofixação

INSULINA

S

3 - 29 mU/L

CLIA

IONOGRAMA

S, U

Soro:

ISE

Na: 135 - 145 mmol/L

K : 3,5 - 5,0 mmol/L

Cl: 98 - 107 mmol/L

Urina:

ISE

Na: 40 - 220 mmol/24h

K: 25 - 150 mmol/24h

Cl: 110 -250 mmol/24h

LD (Desidrogenase Láctica)

S,LB

Soro: 240-480 U/L

Cinética-UV

LH (Hormona Luteotrófica)

S

M:

CLIA

F. Folic.: 1,9 - 12,5 U/L

Ovul.: 8,7 - 76,3 U/L

F. Lut. : 0,5 - 16,9 U/L

Pós-menop.:15,9 - 54,0 U/L

Contrac. oral: 0,7 - 5,6 U/L

Gravidez.: 0,1 - 1,5 U/L

H:

< 70 anos: 1,5 - 9,3 U/L

> 70 anos: 3,1 - 34,6 U/L

Criança: 0,1 - 6,0 U/L

LIPASE

S

13 - 60 U/L

Colorimétrico Enzimático

Líq. ASCÍTICO/ PERICÁRDICO/PLEURAL

 

Critérios de Classificação em: TRANSUDADO

Ex. Químico e Citológico

Aspecto: Claro /Amarelo Claro

Prot. Líq. / Prot. Soro: < 0,5

LDH Líq. / LDH Soro: < 0,6

Bil. Líq. / Bil. Soro: < 0,6

Col. Líq. / Col. Soro: < 0,3

Col. Líq.: < 1,55 mmol/L

Gradiente Alb. Soro/ Alb. Líq.: > 11 g/L

Critérios de Classificação em: EXSUDADO

Aspecto: Turvo/Purulento/Hemático

Prot. Líq. / Prot. Soro: > 0,5

LDH Líq. / LDH Soro: > 0,6

Bil. Líq. / Bil. Soro: > 0,6

Col. Líq. / Col. Soro: > 0,3

Col. Líq.: > 1,55 mmol/L

Gradiente Alb. Soro/ Alb. Líq.: < 11 g/L

Líq. CÉFALO-RAQUIDIANO (ex. Citoquímico)

 

Células:

Ex. Químico e Citológico

 

Adulto: < 5 cels/ µL

Criança: < 10 cels/ µL

Glucose: 2,2 - 3,9 mmol/L

Proteínas: 0,15 - 0,45 g/L

Cloretos: 118 - 132 mmol/L

Líq. SINOVIAL (ex. Citoquímico)

 

Leucocitos: < 150 cels/ µL

Ex. Químico e Citológico

Contagem Diferencial:

PMN < 25 %

Linfo < 75%

Gradiente Gluc. Soro/ Gluc. Líq.: < 0,55 mmol/L

Proteínas: 10 - 30 g/L

LDH: < 320 U/L

Ác. Úrico

    H: < 476 µmol/L

    M: < 357 µmol/L

LÍTIO

S

Val. Terap.: 0,4 - 1,2 mmol/L

Abs. Atómica

Val. Tóxicos: > 1,5

Lp(a)

S

> 0,30 g/L = Risco Elevado

Nefelometria

MAGNÉSIO

S, U

Soro:

Colorimétrico

Adulto: 0,65 - 1,05 mmol/L

Criança:

2 dias - 4 dias : 0,60 - 0,91 mmol/L

5 meses - 6 anos: 0,70 - 0,94 mmol/L

6 anos - 12 anos: 0,70 - 0,85 mmol/L

12 anos - 20 anos: 0,65 - 0,91 mmol/L

Urina:

2,5 - 8,5 mmol/24 h

1,67 - 5,67 mmol/L

METANEFRINAS

U-24h

Adulto:

HPLC

74 - 297 µg/24h

Criança:

3 - 8 anos: 47 - 240 µg/g Creatininúria

9 - 12 anos : 40 - 220 µg/g Creatininúria

13 - 16 anos: 33 - 145 µg/g Creatininúria

MICROALBUMINÚRIA

U, U-24h

24 horas: < 30 mg/24h

Turbidimetria

Amostra: < 20 mg/L

< 30 mg/g creatininúria

Minutada: < 20 µg/min

MIOGLOBINA

S

H: 28 - 72 µg/L

ECLIA

M: 25 - 58 µg/L

NORADRENALINA (Norepinefrina)

 

U

Adulto (U-24h): 12,1 - 85,5 µg/24h

HPLC

Criança (Amostra):

0 - 2 anos: < 420 µg/g Creatininúria

2 - 4 anos: < 120 µg/g Creatininúria

5 - 9 anos: < 89 µg/g Creatininúria

10 - 16 anos:< 82 µg/g Creatininúria

NORMETANEFRINAS

U

Adulto (U-24h): 105 - 354 µg/24h

HPLC

Criança (Amostra):

3 - 8 anos: 62 - 705 µg/g Creatininúria

9 - 12 anos: 81 - 583 µg/g Creatininúria

13 - 17 anos: 95 - 375 µg/g Creatininúria

NSE

S, LP, LCR

Soro: < 16,3 µg/L

ECLIA

OROSOMUCÓIDE ( α 1 Glicoproteina Ácida)

S

0,5 - 1,2 g/L

Nefelometria

OSMOLALIDADE

S, U

Soro: 275 - 295 mOsm/kg

Cálculo

Urina: 300 - 900 mOsml/kg

OSTEOCALCINA

S

3,1 - 13,7 ng/mL

CLIA

P1NP

S

H (51-70): < 36,4 ng/mL
M (pré-menop.): < 30,1 ng/mL
M (pós-menop.): < 37,1 ng/mL

ECLIA

PEPTIDO C

S, U-24h

Soro: 1,1 - 5,0 ng/mL

CLIA

Urina: 2 - 260 µg/24h

PHADIATOP

S

Negativo

FEIA (unicap)

PORFOBILINOGÉNIO

U-24h

< 2mg/24h

Cromatografia em Coluna

PRÉ-ALBUMINA

S

0,20 - 0,40 g/L

Nefelometria

PROGESTERONA

S

M:

CLIA

F. Folic.: 0,15 - 1,40 ng/mL

F. Lut.: 3,5 - 26,0 ng/mL

Pós-menop.: 0,00 - 0,73 ng/mL

H: 0,28 - 1,22 ng/mL

PROLACTINA

S

M: 2,8 - 29 ng/mL

CLIA

Gravidez.: 10 - 209 ng/mL

Pós-menop.: 1,8 - 20,0 ng/mL

H: 2,1 - 17,7 ng/mL

Criança: < 25 ng/mL

PROT. BENCE JONES

U-24h

Negativo

 

PROT. TOTAIS

S, U, LB

Soro: 66 - 87 g/L

Colorimétrico

Urina: < 0,15 g/24h

PROVA DE SUOR (Cloretos)

Suor

< 40 mmol/L

Electroquímica

PROVA DE TOLERÂNCIA À LACTOSE

S

 

 

Aumento da glicémia entre as 0 e as 2 horas
> 1,7 mmol/L (30 mg/dL) = NORMAL

< 1,1 mmol/L (20 mg/dL) = Suspeita de Deficiência de Lactase

> 1,1 mmol/L (20 mg/dL) e < 1,7 mmol/L (30 mg/dL) = Inconclusivo

PSA Total

S

< 4 µg/L

ECLIA

PSA Livre /PSA Total

S

< 10%: Sugere-se a realização de ex. diagnóstico complementares

 

10 - 20 %: Intervalo não discriminativo

> 20 %: Sugestivo de doença benigna

PTH

S

7 - 65 pg/mL

CLIA

RBP (Retinol Binding Protein)

S

0,03 - 0,06 g/L

Nefelometria

RENINA

ST

De pé: 2,0 - 60,0 µU/mL

RIA

Deitado: 1,0 - 20,0 µU/mL

SANGUE OCULTO (pesquisa)

Fezes

Negativo

Imunocrom.

SCC

S, LP, LCR

Soro: < 1,5 µg/L

MEIA

S-DHEA (Sulfato Dehidroepiandrosterona)

S

H: 80 - 560 µg/dL

CLIA

M: 35 - 430 µg/dL

SEROTONINA

U-24h

2 - 6 mg/24h

Cromatografia

SHBG (Sex Hormone Binding Globulin)

S

H: 13 - 71 nmol/L

CLIA

M: 18 - 114 nmol/L

SUBCLASSES IgG  - IgG1

S

> 18 anos: 4,9 - 11,4 g/L

Nefelometria

Criança:

0 - 1 meses: 2,4 - 10,6 g/L

1 - 4 meses: 1,8 - 6,7 g/L

4 - 6 meses: 1,8 - 7,0 g/L

6 - 12 meses: 2,0 - 7,7 g/L

1 - 1,5 anos: 2,5 - 8,2 g/L

1,5 - 2 anos: 2,9 - 8,5 g/L

2 - 3 anos: 3,2 - 9,0 g/L

3 - 4 anos: 3,5 - 9,4 g/L

4 - 6 anos: 3,7 - 10,0 g/L

6 - 9 anos: 4,0 - 10,8 g/L

9 - 12 anos: 4,0 - 11,5 g/L

12 - 18 anos: 3,7 - 12,8 g/L

SUBCLASSES IgG  - IgG2

S

> 18 anos: 1,50 - 6,4 g/L

Nefelometria

Criança:

0 - 1 meses: 0,87 - 4,1 g/L

1 - 4 meses: 0,38 - 2,1 g/L

4 - 6 meses: 0,34 - 2,1 g/L

6 - 12 meses: 0,34 - 2,3 g/L

1 - 1,5 anos: 0,38 - 2,4 g/L

1,5 - 2 anos: 0,45 - 2,6 g/L

2 - 3 anos: 0,52 - 2,8 g/L

3 - 4 anos: 0,63 - 3,0 g/L

4 - 6 anos: 0,72 - 3,4 g/L

6 - 9 anos: 0,85 - 4,1 g/L

9 - 12 anos: 0,98 - 4,8 g/L

12 - 18 anos: 1,06 - 6,1 g/L

SUBCLASSES IgG  - IgG3

S

> 18 anos: 0,20 - 1,10 g/L

Nefelometria

Criança:

0 - 1 meses: 0,14 - 0,55 g/L

1 - 4 meses: 0,14 - 0,70 g/L

4 - 6 meses: 0,15 - 0,80 g/L

6 - 12 meses: 0,15 - 0,97 g/L

1 - 1,5 anos: 0,15 - 1,07 g/L

1,5 - 2 anos: 0,15 - 1,13 g/L

2 - 3 anos: 0,14 - 1,20 g/L

3 - 4 anos: 0,13 - 1,26 g/L

4 - 6 anos: 0,13 - 1,33 g/L

6 - 9 anos: 0,13 - 1,42 g/L

9 - 12 anos: 0,15 - 1,49 g/L

12 - 18 anos: 0,18 - 1,63 g/L

SUBCLASSES IgG - IgG4

S

> 18 anos: 0,08 - 1,40 g/L

Nefelometria

Criança:

0 - 1 meses: 0,04 - 0,55 g/L

1 - 4 meses: < 0,03 - 0,36 g/L

4 - 6 meses: < 0,03 - 0,23 g/L

6 - 12 meses: < 0,03 - 0,43 g/L

1 - 1,5 anos: < 0,03 - 0,62 g/L

1,5 - 2 anos: < 0,03 - 0,79 g/L

2 - 3 anos: < 0,03 - 1,06 g/L

3 - 4 anos: < 0,03 - 1,27 g/L

4 - 6 anos: < 0,03 - 1,58 g/L

6 - 9 anos: < 0,03 - 1,89 g/L

9 - 12 anos: 0,03 - 2,10 g/L

12 - 18 anos: 0,04 - 2,30 g/L

T3

S

Adulto: 0,60 - 1,81 ng/mL

CLIA

Criança: 0,60 - 1,95 ng/mL

T4

S

Adulto: 4,5 - 10,9 µg/dL

CLIA

Criança: 4,5 - 11,5 µg/dL

TESTOSTERONA Livre

S

H:

RIA

20 - 39 anos: 8,8 - 27,0 pg/mL

40 - 59 anos: 7,2 - 23,0 pg/mL

60 - 80 anos: 5,6 - 19,0 pg/mL

M:

20 - 39 anos: Indetectável - 2,57 pg/mL

40 - 59 anos: Indetectável - 2,03 pg/mL

60 - 80 anos: Indetectável - 1,55 pg/mL

TESTOSTERONA Total

S

H: 20 - 49 anos: 245 - 1600 ng/dL

CLIA

H: > 50 anos: 181 - 772 ng/dL

M: Ovulação: 0 - 81 ng/dL

M: Pós-menopausa: 0 - 74 ng/dL

TIROGLOBULINA

S

< 55 ng/mL

CLIA

TRAb (Ac. anti-Receptores de TSH)

S

< 9 U/L

RIA

TRANSFERRINA

S

2,0 - 3,6 g/L

Nefelometria

TRIGLICÉRIDOS

S, LB

Soro: < 2,0 mmol/L = Baixo Risco

Colorimétrico Enzimático

TROPONINA T

S

0 - 0,1 µg/L

ECLIA

TSH

S

0,35 - 5,50 µU/mL

CLIA

UREIA

S, U

Soro: 1,7 - 8,3 mmol/L

Cinética-UV

Urina:

170 - 580 mmol/24h

140 - 490 mmol/L

URINA TIPO II

 

CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS:

Espectrof. de Reflectância

Densidade: 1,010 - 1,030

pH: 4,5 - 7,8

Leucocitos: Negativo

Nitritos: Negativo

Proteínas: Negativo

Glucose: Normal

C.Cetónicos: Negativo

Urobilinogénio: Normal

Bilirrubina: Negativo

Hemoglobina: Negativo

SEDIMENTO

Citometria de Fluxo

Cél. Epiteliais: < 2 / µL

Leucocitos: < 20 / µL

Eritrocitos: < 20 / µL

Cilindros: 0,98 / µL

Bact./Fungos: Negativo

D-XILOSE

S

2h após 5g : > 1,3 mmol/L

Espectrofotometria

2h após 25g: > 2,2 mmol/L

ZINCO

S

11,5 - 18,5 µmol/L

Abs. Atómica


 



 


Abreviaturas

 
   

Abs. Atómica

Absorção Atómica

Cinética-UV

Cinética - Ultra Violeta

CLIA

Quimioluminescência

Contrac. oral

Contracepção oral

ECLIA

Electroquimioluminescência

ELISA

Enzyme Lynked Immuno Sorbent Assay

Enzimático - UV

Enzimático Ultra Violeta

Espectrof.

Espectrofotometria

EV

Análise efectuada eventualmente após contacto com o Laboratório

F

Fezes

F.Folic.

Fase Folicular

FEIA

Fluor Enzyme Immuno Assay

F.Lut.

Fase Luteínica

H

Homem

HPLC

Cromatografia líquida de alta performance

Imunocrom.

Imunocromatografia

ISE

Eléctrodos selectivos de ião

LA

Líquido Ascítico

Lamn

Líquido Amniótico

LB

Líquidos Biológicos

LCR

Líquido Céfalo-Raquidiano

Ldial

Líquido Diálise

LIA

Liposome immunoassay

LP

Líquido Pleural

Lper.

Líquido Pericárdico

LS

Líquido Sinovial

M

Mulher

MEIA

Imunoensaio de micro particulas

ND

Não Detectável

Ovul.

Ovulação

P

Plasma

Pós-menop.

Pós Menopausa

RIA

Radioimunoensaio

RN

Recém-nascido

S

Soro

ST

Sangue Total (Tubo de Hemograma)

THS

Terapêutica hormonal de substituição

U

Urina

U-24h

Urina de 24 horas

   
 

1) Cr: Aplique a fórmula de Schwartz

 

Calcula a taxa de filtração glomenular (TFG)

TFG (ml/min./1,73m² ) = [K x altura (cm)] / Creatinina Plasmática (mg/dl)

   
 

Valor de K:

 

RN baixo peso - 2 anos = 0,33

 

RN termo - 2 anos = 0,45

 

2 anos = 0,55

 

Rapazes puberdade = 0,7

Topo ^
Colheitas e Recepção de Produtos

1. Introdução

As colheitas e o envio dos produtos de doentes internados são da responsabilidade dos Serviços de internamento.
Recomenda-se que as amostras dêem entrada no laboratório o mais cedo possível, preferencialmente até às 10 horas, para que os resultados possam ser fornecidos ainda durante a manhã ou no início da tarde.

As colheitas dos doentes externos são da responsabilidade do Serviço de Patologia Clínica, assim como o transporte dos produtos para os laboratórios. Os doentes são atendidos na Central de Colheitas do piso 1, das 8h00 às 18h00 devendo fazer, se possível, a marcação prévia das análises.

Relativamente aos doentes da Consulta Externa de Pediatria, as colheitas são efectuadas pelo pessoal da consulta, sendo os produtos transportados ao laboratório por uma mensageira da consulta de pediatria.

Efectuam-se no Laboratório de Química Clínica (piso 3) as colheitas para todas as análises referenciadas a azul claro na listagem de análises efectuadas no Laboratório de Química Clínica, bem como as colheitas para monitorização da fertilização "in vitro" (FIV)

Aos sábados só se efectuam colheitas para estudos de FIV.


2. Material de Colheita

Lista de tubos / frascos por tipo de análises

Sangue
Tubo com EDTA
- Hemoglobina A1c
- Renina
- ACTH

Tubo seco - todos os outros doseamentos

Urina

Colheita da 1ª da manhã (tubo apropriado)
- Teste de gravidez
- Exame sumário de urina (tipo II)

Colheita da 2ª da manhã ou 24 h
- Desoxipiridolina
- Telopeptido N

Colheita da urina de 24h sem conservante
- Creatinina, Glucose, Ácido Úrico, Proteínas
- Cálcio, Fósforo, Magnésio e Ionograma
- Aldosterona
- Cortisol
- Ácido delta aminolevulínico e Porfobilinogénio (frasco escuro)
- Cobre (jarro preparado pelo laboratório)

Colheita de Urina de 24h com conservante (fornecido pelo laboratório)
- Ácido vanilmandélico*
- Metanefrinas*
- 5 Hidroxindolacético
- Serotonina

* Para crianças ver "normas de colheita" 3.2.2

Líquidos das cavidades serosas

Exame químico - só um tubo seco

Exame citológico:
   LCR - só um tubo de vidro seco;
   Pleural, Ascítico, Pericárdico- tubo com EDTA;
   Sinovial - tubo com heparina

Cálculos (urinários)
Enviar em tubo de vidro, sem quaisquer aditivos


3. Normas de Colheita

3.1 Sangue

Quantidades de sangue a colher (volumes aproximados):
Bioquímica geral: 5 mL
Bioquímica geral + Endocrinologia: 7,5 mL
Bioquímica geral + Imunoquímica: 7,5 mL
Bioquímica geral + Endocrinologia + Imunoquímica: 10 mL

Sempre que o número de pedidos for superior a 25 aconselha-se o envio de 2 tubos para perfazer a quantidade suficiente.

Volumes menores do que o indicado, podem inviabilizar a satisfação do pedido; nestas circunstâncias o Laboratório ver-se-á obrigado a utilizar critérios de prioridade meramente técnicos.


3.1.1 Normas Gerais

1. Antes de iniciar a colheita, verifique sempre a identificação do doente e prepare o material necessário. Coloque etiquetas nos tubos com a identificação do doente. Esta deve ser tão completa quanto possível e igual à da respectiva requisição.

2. Confirme que o doente fez a preparação prévia para a colheita (análises que requerem jejum, dietas especiais, etc.), e está em repouso. Assinalar na requisição se alguma destas condições não se verificar.

3. Se o doente tiver uma veia canalizada para administração de soros, interrompa-a 5 minutos antes da colheita. Faça a colheita numa veia do membro oposto.

4. Desinfecte a zona de punção com algodão impregnado em álcool, deixe secar a pele ao ar, só então efectue a punção (restos de álcool podem causar hemólise).

5. A garrotagem deve ser feita com cuidado, e não deve prolongar-se por mais de 1 minuto. Alivie o garrote quando o sangue começar a correr.

6. A quantidade de sangue a colher varia com as análises pedidas. Nos tubos com anticoagulantes é importante respeitar a marca de enchimento porque a relação amostra/anticoagulante é essencial para a qualidade dos resultados.

7. Após a colheita, fazer pressão sobre o local da punção até parar a hemorragia.

8. Retire a agulha e encoste o orifício da seringa à parede do tubo, esvaziando a seringa lentamente para evitar a hemólise.

9. Distribua o sangue sempre em primeiro lugar para o tubo seco e só depois para os outros tubos para evitar possíveis contaminações com os anticoagulantes. Ordem recomendada: tubo seco, tubo com citrato, tubo com heparina e finalmente tubo com EDTA.

10. O material utilizado deve ser descartado para os recipientes próprios.

11. O transporte deve ser cuidadoso e o envio ao laboratório deve ser rápido.

3.1.2 Normas Especiais


3.1.2.1 Prova de Tolerância à Glucose (PTGO)

Estas provas só devem ser efectuadas em doentes em ambulatório, em jejum de, pelo menos 10 horas, e estão contra indicadas em situações de stress, cirurgias, infecções e traumatismos recentes. As provas devem ter início entre as 8 e as 9 horas e durante a sua execução o doente deve manter-se em repouso só podendo ingerir água. Em caso de vómito , interromper a prova.

De uma maneira geral, o doente deve, nos 3 dias anteriores à prova, fazer uma dieta equilibrada em calorias e proteínas com cerca de 150g a 300g de hidratos de carbono por dia.

Se possível deve parar a medicação com: estrogénios e esteróides, propanolol, fenitoína, tiazidas e salicilatos.

PTGO em Adultos

- colheita para determinação da glicémia em jejum
- caso seja inferior a 6,9 mmol/L (126 mg/dL) fazer sobrecarga com 75 g de glucose diluída em 250 ml de água
- caso seja superior a 6,9 mmol/L (126 mg/dL) não efectuar a sobrecarga e inserir mensagem
- colheita às 2 horas, salvo outra indicação expressa pelo médico requisitante

PTGO em Crianças

- colheita para determinação da glicémia em jejum
- caso seja inferior a 6,9 mmol/L (126 mg/dL) fazer sobrecarga com 1,75 g de glucose por kg de peso (não excedendo 75 g) diluída em 250 ml de água
- caso seja superior a estes valores não efectuar a sobrecarga e inserir mensagem.
- colheita às 2 horas, salvo outra indicação expressa pelo médico requisitante

Prova de rastreio em grávidas (teste de O'Sullivan)

- colheita para determinação da glicémia em jejum
- caso seja inferior a 6,9 mmol/L (126 mg/dL) fazer sobrecarga com 50 g de glucose diluída em 250 ml de água
- colheita à 1 hora, salvo outra indicação expressa pelo médico requisitante

PTGO em Grávidas

- colheita para determinação da glicémia em jejum
- caso seja inferior a 6,9 mmol/L (126 mg/dL) fazer sobrecarga com 100 g de glucose diluída em 250 ml de água
- colheitas aos: 60', 120' e 180'
- se o pedido trouxer outras indicações, bem claras, devem ser respeitadas

Nota: O Laboratório não efectua prova após sobrecarga com o pequeno almoço porque não há recomendações nem padronização para tal.


3.1.2.2 Prova de Absorção da D-Xilose

Este exame exige marcação prévia.
As provas são efectuadas no próprio serviço de internamento, que previamente deve contactar o laboratório para requisitar a xilose necessária.

Preparação do Doente:

- jejum de 8 horas se adulto, e de 4 horas se criança
- ingerir 5 g de D-xilose diluída em 300 a 500 ml de água
- a dose de xilose pode, a pedido expresso do médico requisitante, ser de 25g
- a dose para crianças é de 0,5 g/Kg de peso até um máximo de 5 g

Colheita da Amostra:

- colher 5 ml de sangue para tubo seco 2 horas após a ingestão de xilose
- em crianças a colheita deve ser efectuada 1 hora após a ingestão de xilose
- a colheita para outros exames bioquímicos tem que ser feita em jejum
- enviar o mais rapidamente possível ao laboratório


3.1.2.3 Pesquisa de Crioglobulinas

Este teste exige marcação prévia no Laboratório

O laboratório fornece um termo com material aquecido a 37ºC e instruções de colheita

Preparação do Doente:

Deve ter feito um jejum de 10h.

Colheita:

1. Manter o material de colheita no termo, até ao momento da punção e preparar também um tubo seco, que se deixa à temperatura ambiente;
2. Identificar os tubos;
3. Colher 10 ml de sangue venoso; distribuir pelos 2 tubos de vidro que estavam no termo (5 ml em cada tubo);
4. Após a colheita, colocar os tubos de vidro no termo (a coagulação do sangue deve ser efectuada a 37ºC);
5. Enviar rapidamente ao Laboratório.


3.2 Urina


3.2.1 Normas Gerais

3.2.1.1 Colheita para Exame Sumário de Urina (tipo 2)

O Laboratório de Química Clínica utiliza um tipo de tubo adequado para recolha de urina, sem conservante (Monovette de tampa amarela) que deve ser utilizado da seguinte maneira:
- Etiquetar o tubo com a identificação do doente;
- Tirar a rosca, adaptar a palheta e aspirar a 1ª urina da manhã, puxando o êmbolo para trás até encher o tubo totalmente - até à marca de 10 ml.
- Tapar o tubo com a rosca e partir a haste do êmbolo. Enviar o mais rapidamente possível ao Laboratório.
Caso não seja possível o envio imediato, refrigerar.


3.2.1.2 Colheita de urina de 24 horas

- Rejeitar a 1ª urina da manhã;
- Registar a data e hora a que inicia a colheita;
- Recolher a partir da 2ª micção para uma garrafa grande (por exemplo de 1,5 l de água mineral), ou para o frasco fornecido pelo Laboratório. Não urinar directamente para o frasco;
- Pôr imediatamente no frigorífico (4 ºC);
- Juntar, no mesmo recipiente, toda a urina emitida durante o dia, mantendo-o sempre refrigerado;
- Terminar a colheita com a recolha da 1ª urina da manhã seguinte;
- Transportar o mais rapidamente possível para o Laboratório de Química Clínica.


3.2.2 Normas Especiais

3.2.2.1 Ácido 5-hidroxindolacético e Serotonina

Preparação do Doente

Durante a colheita da urina e nos 3 dias anteriores deve respeitar as seguintes normas:
Não ingerir os seguintes alimentos: beterraba, beringela, banana, baunilha (em geral doces e confeitaria), abacate, tomate, ameixa, ananás, kiwi, citrinos, nozes, avelãs, álcool.
Pergunte ao seu médico se deve interromper a medicação com: anti-hipertensores (metildopa), analgésicos e anti-inflamatórios, xaropes para a tosse, antidepressivos, anfetaminas, inibidores da MAO.

Colheita

Adultos
Recolher a urina de 24 horas para um frasco escuro com conservante, fornecido pelo Laboratório. ATENÇÃO! contém ácido-corrosivo
Respeitar as normas de colheita de urina de 24h fornecidas pelo Laboratório.

Crianças
Recolher a primeira urina da manhã para 2 tubos (Monovettes), ou recipiente adquirido na Farmácia.


3.2.2.2 Ácido Vanilmandélico e Metanefrinas, Ácido Homovanílico e Catecolaminas fraccionadas na urina

O médico requisitante deve preencher o questionário fornecido pelo Laboratório

Preparação do Doente

- Durante a colheita da urina e nos 3 dias anteriores deve respeitar as seguintes normas:
Não ingerir os seguintes alimentos: bananas, citrinos, baunilha, café, chá, chocolate, nozes, álcool.
Deve evitar fazer exercício físico.
Pergunte ao seu médico, se deve interromper a medicação com: anti-hipertensores (metildopa), analgésicos e anti-inflamatórios, tranquilizantes (benzodiazepinas), nitroglicerina, ácido nalidíxico, inibidores da MAO, lítio, teofilina. Se não for possível deverá informar o Laboratório da medicação em curso.

Colheita

Adultos
Recolher a urina de 24 horas para um frasco escuro com conservante, fornecido pelo Laboratório. ATENÇÃO! contém ácido-corrosivo
Respeitar as normas de colheita de urina de 24h fornecidas pelo Laboratório.

Crianças
Recolher a primeira urina da manhã para 2 tubos (Monovettes), ou recipiente adquirido na Farmácia.


3.3 Fezes

Pesquisa de sangue oculto nas fezes

Instruções para o Doente

- Recolher 2 amostras de fezes, em 2 dias diferentes, expelidas espontaneamente e não contaminadas por urina ou outros fluídos, para contentor fornecido pelo Laboratório de Química Clínica ou recipiente adquirido na Farmácia;
- Não colher as fezes durante a menstruação ou nos casos de perda de sangue por hemorróidas ou qualquer outra razão;
- Não necessita fazer dieta especial;
- Fechar e conservar a 2-8 ºC, ao abrigo da luz;
- Entregar no Laboratório até 2 dias após a colheita.


3.4 Outros

Teste Respiratório H. Pylori

1. O teste é feito todos os dias, excepto segunda-feira, no Laboratório de Química Clínica, piso 3, na sala de colheitas

2. A marcação do teste é feita a partir das Consultas para o Arquivo, com a antecedência de, pelo menos, 1 semana. Nesta altura são fornecidas instruções escritas.

3. A requisição/impresso tem uma listagem dos medicamentos que devem ser suspensos antes de efectuar o exame, bem como outras instruções para o doente.


O LQC é responsável pelo envio do produto para o laboratório de leitura (no exterior) e pela recepção dos resultados. Estes são enviados, por via informática, para a consulta/serviço no prazo de uma semana

Topo ^
Interferentes analíticos

A presença na amostra a analisar, de potenciais interferentes analíticos, tais como a hemólise, a hiperbilirrubinémia, a lipémia, alguns medicamentos e alguns componentes da dieta, podem alterar o resultado de determinados analitos e mesmo impossibilitar a execução técnica.

No momento actual, é praticamente impossível conhecer todas as interferências que a multiplicidade de medicamentos existentes, podem provocar em cada método de análise.

No entanto esta suspeita, deve pôr-se sempre na avaliação de resultados, que de alguma forma pareçam incoerentes com a situação clínica, sobretudo quando do laboratório não vem informação de que foram detectadas as causas mais frequentes e patentes na simples observação da amostra.

A má técnica da colheita, pode levar à produção de resultados incorrectos só detectados pelo laboratório em casos extremos.

Assim, o conspurcar do mandril da seringa, com o conteúdo do tubo de hemograma (que contem um sal de potássio) leva a aumentos grosseiros dos valores de potássio, como também a colheita de sangue em veias canalizadas, sem respeitar as regras já salientadas, pode determinar valores de glucose e de electrólitos incompatíveis coma vida. Nestes casos, todos os outros doseamentos são obviamente incorrectos.

A situação mais frequente, visível e evitável, é a hemólise, que a maior parte das vezes ocorre por má técnica de colheita, conservação e transporte e que afecta mais significativamente os seguintes analitos:
- Potássio (K)
- Desidrogenase láctica (LD)
- Aspartatoaminotransferase (AST/TGO)
- Creatinaquinase (CK)
- Magnésio
- Fósforo
- Bilirrubina *

* Interferência Negativa

No relatório final o Laboratório assinala os interferentes detectados, para alertar o clínico na interpretação e valorização dos resultados.

Se a hemólise e a lipémia são muito marcadas e visíveis, o laboratório pode não efectuar algumas das determinações, porque isso conduziria a dados analíticos necessariamente incorrectos com manifesto prejuízo da qualidade assistencial.

Topo ^
Variação biológica dos parâmetros analíticos

Enquanto a variação analítica, ocorrendo durante a análise ( CV% analítica), é mantida dentro de limites pré-determinados, diferentes de parâmetro para parâmetro, pelos vários procedimentos do controlo de qualidade, o mesmo não se passa com a variação biológica do mesmo.

A variação biológica (CV% biológica) é considerada, como o somatório da variabilidade da concentração de um determinado metabolito no próprio indivíduo, entre vários indivíduos, e nos vários estados de saúde e doença, é mais difícil de controlar na prática diária, obrigando sobretudo ao cumprimento de protocolos de colheitas, e à ponderação na interpretação dos resultados com o conhecimento deste tipo de variação.

Entre os factores de variação biológica, considerados fisiológicos, contam-se a idade, sexo, jejum, a gravidez, a raça, o tipo de dieta, o exercício físico, ingestão de cafeína, os hábitos tabágicos e alcoólicos, os ritmos menstruais, circadianos e estacionais, assim como estados patológicos, com ou sem quadros clínicos definidos.

Estas influências, nos resultados dos doseamentos analíticos devem ser tomadas em linha de conta na validação médica, para correcto enquadramento e utilização na situação clínica em causa.

Topo ^
Controlo e avaliação externa da qualidade

Todas as determinações analíticas manuais e automatizadas são diariamente monitorizadas com a introdução de soros de controlo, em todas as séries de trabalho.

Estes soros têm concentrações normais ou patológicas, conhecidas, dos parâmetros que controlam. Os valores obtidos durante a análise, são imediatamente verificados (devem estar entre ±1SD) para prosseguimento do trabalho. Diaria, semanal e mensalmente, são calculados os coeficientes de variação e os desvios da média dos diferentes analitos e, de acordo com os resultados, são aplicadas as necessárias medidas correctivas.

Por outro lado, é também feita a comparação do desempenho analítico do nosso laboratório, em todas as áreas disponíveis, com o de outros laboratórios, a nível nacional e internacional, através de vários programas de avaliação externa da qualidade. Nestes programas, em que as concentrações dos soros são desconhecidas, além da avaliação dos desempenhos analíticos, obtêm-se dados importantes sobre a comparabilidade dos nossos resultados, sobre as metodologias utilizadas, os sistemas de padronização e ainda sobre o estado da arte dos vários parâmetros incluidos.

Topo ^
Estatística

ESTATÍSTICA DE 2004

Total de análises pedidas: 1 939 254 (Ver Quadro I )

Análises pedidas por sectores ( Quadro I ):

Bioquímica Geral

1 752 094

Endocrinologia

81 500

Imunoquímica

60 039

Líquidos Biológicos

40 820

A.Atómica + Rastreio prénatal

4 801

TOTAL

1 939 254





Esta página foi actualizada em: Novembro 2005

Topo ^